Paralisação

Professores da UFPE entram em greve

Publicado em 17/05/2012, às 13h15 | Atualizado em 22/07/2014, às 01h30

Do NE10ATUALIZADA ÀS 13H25

Em assembleia realizada na manhã desta quinta-feira (17), os professores da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) decidiram decretar greve. A ata foi assinada por 218 professores, dos quais 189 votaram a favor da paralisação, 17 contra e 12 se abstiveram.

A mobilização é de caráter nacional. Em Pernambuco, os docentes da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) e da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf) já paralisaram as atividades.


Os professores protestam contra a situação da carreira atual dos docentes e a estagnação nas negociações com o governo para um rejuste salarial. De acordo com o presidente da Associação dos Docentes da UFPE (Adufepe), Jaime Mendonça, o governo não cumpriu o acordo feito em 2011. O acordo garantia um reajuste de 4% a partir de março deste ano, incorporação da gratificação específica do magistério superior (Gemas) e compromisso de reestruturar as carreiras do magistério superior e ensino básico, técnico e tecnológico.

GREVES - A última paralisação, também de caráter nacional, foi em 2005 e durou cerca de três meses. A principal reivindicação era de um reajuste de 18%. Essa greve acabou sem que houvesse possibilidade de negociação com o governo federal.

Dois anos antes, em 2003, 28 centros de ensino federais tiveram as atividades paralisadas por quase dois meses, de julho a setembro. O protesto era pela retirada da PEC 40, que tratava da Reforma da Previdência. Ao final, se manteve a paridade entre ativos e aposentados.

Em 2001, a UFPE  e outras 53 unidades pararam para reivindicar reajuste de 75,58%, além da abertura de 8 mil vagas e da incorporação ao Gemas. Foram abertas 2 mil vagas e o reajuste variou entre 8% e 15%.

No ano anterior, os professores ficaram aproximadamente três meses de braços cruzados para que houvesse uma reposição de 64% e que os investimentos aumentassem. O resultado foi o impedimento do projeto de autonomia do Ministério de Educação (MEC).

A paralisação anterior contou com apoio dos estudantes e até com greve de fome de 14 professores em todo o Brasil. Foram mais de três meses parados, pedindo reajuste de 48,65%, recomposição do quadro de docentes e ampliação das vagas nas universidades. Entretanto, nenhum item da pauta foi conquistado.

ALUNOS - Segundo dados da UFPE, são mais de 28 mil estudantes na graduação. Apesar de nem todos eles serem afetados pela paralisação, já que nem todos os centros vão aderir completamente à greve, o anúncio já gerou comentários no Twitter.

PALAVRAS-CHAVE: greve

COMENTE ESTA MATÉRIA

Nome:
E-mail
Mensagem

O comentário é de total responsabilidade do internauta que o inseriu. O NE10 reserva-se o direito de não publicar mensagens com palavras de baixo calão, publicidade, calúnia, injúria, difamação ou qualquer conduta que possa ser considerada criminosa.