NE10
Pernambuco - 17.04.14 - Atualizado às 12h24

Trajeto profissional

O poder das redes como ferramenta de mobilização social

Publicado em 23.08.2011, às 17h11

Por Sílvia Gusmão

Durante muito tempo, acreditou-se que o mundo virtual fosse apenas sinônimo de isolamento. Porém, com a proliferação das redes sociais, começou-se a observar que também contribuem para aumentar as possibilidades de compartilhamento e de mobilização das pessoas. É cada vez mais comum o uso de páginas como o Twitter e o Facebook para cobrar transparência do poder público, fazer manifestações políticas, cobrar postura ética das corporações e convocar movimentos sociais.

Um dos exemplos mais fortes dos últimos tempos no que diz respeito à política é a chamada Primavera Árabe. Desde o início deste ano, protestos em países árabes pedem mudanças estruturais na política, na economia e na sociedade. As revoltas foram organizadas, sobretudo, por interações via blogs, microblogs e sites de relacionamento. Isso porque, em países como a Líbia, Síria e Egito, as mídias tradicionais não constituem canais de comunicação legítimos da população. O chamado ciberativismo passa a estabelecer uma nova fronteira para a participação política, pois, a partir de um computador, os indivíduos conseguem mais rapidamente agregar pessoas à causa que defendem.

As mídias sociais se tornaram fundamentais para os consumidores cobrarem serviços, exercerem sua cidadania e demonstrarem indignação



A solidariedade também pode ser potencializada via internet. Foi o caso das enchentes no Rio de Janeiro ou dos terremotos no Japão, catástrofes que provocaram uma grande mobilização online. Milhões de tweets foram postados na intenção de arrecadar donativos para os necessitados. Outro exemplo da boa utilização das redes sociais é a criação de projetos sociais como a Casa da Cultura Digital, que agrupa ONGs, empresas e indivíduos, com o objetivo de divulgar, ao máximo, dados já tornados públicos pelo governo.

Por fim, podemos citar mobilização de consumidores insatisfeitos pelo Twitter. Se antes as reclamações dos clientes saiam em pequenas notas no jornal, com uma repercussão reduzida, agora, a divulgação de um problema de um consumidor na web pode ter um alcance mundial. Um caso recente que chamou atenção de todo o mundo foi o da loja Zara. A marca do grupo espanhol Inditex foi flagrada obrigando funcionários a trabalharem em condições análogas à escravidão em São Paulo. A hashtag #ZARA rapidamente chegou à primeira posição nos Trend Topics Brasil do Twitter (ranking de assuntos mais comentados), seguida pela #TrabalhoEscravo. Além disso, mensagens incitaram um movimento de boicote à marca.

O fenômeno revela o quanto as mídias sociais se tornaram fundamentais para os consumidores cobrarem serviços, exercerem sua cidadania e demonstrarem indignação. Ponto para a democracia, que ganha uma ajuda de peso.

*As colunas assinadas não refletem, necessariamente, a opinião do NE10

Compartilhe essa notícia

DIGG NEWSVINE STUMBLE WINDOWS LIVE GOOGLE FACEBOOK MYSPACE
Comente esta matéria
validador 

Cadastre-se! Esqueceu a senha? O comentário é de total responsabilidade do internauta que o inseriu. O NE10 reserva-se o direito de não publicar mensagens com palavras de baixo calão, publicidade, calúnia, injúria, difamação ou qualquer conduta que possa ser considerada criminosa. Para participar, é preciso ser cadastrado no Portal.

Publicidade

Perfil

SÍLVIA GUSMÃO é psicanalista e consultora da Trajeto Consultoria silvia@trajeto
consultoria.com.br



especial

Largos e Pátios - pedras que contam a história

Largos e Pátios - pedras que contam a história

No aniversário das cidades, o portal convida a um passeio pelos pátios do Recife e largos de Olinda

Sistema Jornal do Commercio de Comunicação
© Copyright © 1997-2014, SJCC - Sistema Jornal do Commercio de Comunicação - Recife - PE - Brasil
Grupo JCPM