NE10
Pernambuco - 17.04.14 - Atualizado às 00h49

Enogourmet

Descobrindo as vinícolas chilenas - primeiro dia

Publicado em 22.05.2012, às 16h43


Vinícola já estava naquela fase de folhas verdes e outras amareladas
Vinícola já estava naquela fase de folhas verdes e outras amareladas
Foto: Divulgação

Por Amanda Loyo

Cheguei de viagem e, conforme prometido, contarei o meu roteiro enogastronômico aqui para vocês. Como falei, não adianta muito tentar marcar várias visitas a vinícolas, fazendo todos os tours e escutando basicamente a mesma coisa. O legal é fazer tours diferentes, degustações, visitas... enfim!

No primeiro dia da viagem, alugamos um carro e fomos direto para Valparaíso. No caminho, passamos por várias vinícolas que ficam na beira da estrada (Rota 68). Engraçado é que o percurso Santiago – Valparaíso tem uma paisagem extremamente seca, com exceção de quando nos aproximamos de Casablanca, cujo vale é repleto de vinhedos. E que já estavam naquela fase de ter folhas verdes e outras amareladas. Bem legal!

Em Valparaíso, jantamos no restaurante Pasta & Vino. Excelente! Estava tendo um festival de vinhos e se você consumisse uma garrafa, ganhava outra. Pedimos um Anakena Carmenère Single Vineyard 2010. Ótimo custo-benefício! E a comida do restaurante era fantástica. Simples e deliciosa, como todo bom restaurante italiano deve ser.

O legal é fazer tours diferentes, degustações, visitas... enfim!

No dia seguinte, dormimos na Viña Matetic, que tem uma pequena pousada de charme, a La Casona, com apenas 7 quartos, todos com nome de uvas. Eu fiquei no Merlot! Perfeito!

A experiência foi perfeita. Depois de um dia quase todo viajando e outro de muita andança, nada como um break romântico. Chegamos tarde, então perdemos um dos passeios que a vinícola oferece pela propriedade. Mas fomos super bem recepcionados, pegamos uma garrafa de vinho e fomos degustar no terraço privado junto ao quarto. No local, ficam apenas a pousada, o restaurante e a loja de vinhos. A vinícola mesmo fica a uns 10km de distância.

Para o jantar, que estava incluído no valor da diária, eles oferecem 3 opções de entrada, prato principal e sobremesa, além de um vinho da linha Coralillo, que você escolhe antecipadamente, marcando o horário que você deseja jantar (até as 21h). Quando chegou no horário marcado, eles informaram que já estava tudo pronto à nossa espera. Fomos para o local do jantar, que era uma sala com uma mesa de jantar preparada especialmente para nós. E com um atendente, Jaime, super atencioso. Nosso menu incluía uma sopa de legumes com curry (maravilhosa!), uma salada de palmito com tomate e folhas verdes (meio sem graça) e filé ao molho de gorgonzola com purê de abóboras (o ponto da carne estava perfeito! Muito bom!). Sem contar o pãozinho “light”, quentinho, que pedimos várias reposições para Jaime.

Ah! Pagando um pouco a mais, pode-se dar um upgrade no vinho, escolhendo a linha top, EQ. Escolhi o EQ Syrah. Excelente!

Na hora da sobremesa, um cheesecake desconstruído delicioso e uma torta de maçã, que também estava muito boa, mas não se comparava ao cheesecake. Além de um bolo com velas e tudo para cantar parabéns para meu maridinho querido que estava aniversariando no dia seguinte. Super delicado!

Na sala ao lado, tinha outro casal de brasileiros. Achei super interessante eles fazerem essa separação para dar mais privacidade aos hóspedes.

Depois de um ótimo jantar, voltamos para o quarto para ter a noite dos nossos sonhos em uma das camas mais maravilhosas em que já me deitei! Para acordar no dia seguinte foi um sufoco! Além da cama perfeita, o quarto era praticamente vedado contra iluminação. Era aquele escurinho e aquele friozinho que faz você querer ficar embaixo do edredon para sempre!

Como tínhamos marcado o passeio para as 10h, tivemos que levantar a pulso, nos arrumar e seguir para o café da manhã, que também estava ótimo. Tinham algumas coisas na mesa e outras, você pedia do jeito que queria, como ovos, por exemplo.

Depois, partimos com o outro casal de brasileiros para o passeio pela vinícola. Estava um frio danado! Após 10/15 minutos de estrada, passando pelos 1.200 hectares da propriedade, com direito a gado, carneiros e muitas vinhas!

Aí fizemos o tour completo: visita guiada por toda área de fermentação e armazenamento dos vinhos. O interessante é que, além de utilizarem-se da cultura orgânica, a Matetic está começando a produzir vinhos biodinâmicos.

No final, provamos todos os vinhos da linha EQ (Equilibrium), que estavam maravilhosos, especialmente o Sauvignon Blanc e o Pinot Noir. O Chardonnay passa pela fermentação malolática para ficar mais macio, o que lhe confere aquele sabor amanteigado bem típico dos Chardonnays californianos.

Como esta região é mais fria, a Syrah – que é bem característica de climas quentes – ainda estava sendo colhida, pois ela precisa passar mais tempo nas vinhas de forma a atingir seu grau de maturação ideal.

No final de tudo, ainda deu para provar algumas uvas Syrah direto do pé. Doces feito mel!

Na volta para Santiago ainda paramos na Viña Indómita para almoçar. O restaurante da vinícola é considerado um dos melhores do Chile. E, realmente, a comida não decepcionou. Mas semana que vem eu conto mais!

» Matetic Vineyards

Valor da diária:
U$ 250/pessoa (incluindo jantar e café da manhã)
U$ 360/pessoa (incluindo almoço, jantar e café da manhã) – almoço degustação com 5 vinhos
premium.

P.S.: O outro casal que estava lá disse que o almoço era maravilhoso! Uma pena que não me programei para tal...

*As colunas assinadas não refletem, necessariamente, a opinião do NE10

Compartilhe essa notícia

DIGG NEWSVINE STUMBLE WINDOWS LIVE GOOGLE FACEBOOK MYSPACE
Comente esta matéria
validador 

Cadastre-se! Esqueceu a senha? O comentário é de total responsabilidade do internauta que o inseriu. O NE10 reserva-se o direito de não publicar mensagens com palavras de baixo calão, publicidade, calúnia, injúria, difamação ou qualquer conduta que possa ser considerada criminosa. Para participar, é preciso ser cadastrado no Portal.

Publicidade

Perfil

AMANDA LOYO é Sommelier e amante da enogastronomia.



especial

Derrepente virtual

Derrepente virtual

Produzido por concluintes do curso de Jornalismo da Católica, especial mostra como a literatura de cordel sobrevive na era virtual.

Sistema Jornal do Commercio de Comunicação
© Copyright © 1997-2014, SJCC - Sistema Jornal do Commercio de Comunicação - Recife - PE - Brasil
Grupo JCPM