Empresas

Você daria zero?

Publicado em 11/02/2017, às 22h11 | Atualizado em 11/02/2017, às 22h19

Por Simon M. Franco

É preciso pensar fora da caixa e fugir de soluções padronizadas, repetitiva e óbvias / Foto: Pixabay

É preciso pensar fora da caixa e fugir de soluções padronizadas, repetitiva e óbvias Foto: Pixabay

Você daria ZERO para um aluno que respondesse o que segue num hipotético exame?

Pergunta: Qual a maior causa de divórcios?

Resposta: o casamento

Pergunta: O que mais se parece com meia maçã ?

Resposta: a outra metade

Pergunta: se você tivesse 3 maçãs e 4 laranjas numa mão e 4 maçãs e 3 laranjas na outra, o que você teria?

Resposta: mãos muito grandes

Evidentemente não são as respostas que um examinador esperaria, razão suficiente para aplicar um zero sem hesitação. No entanto, se pudéssemos por um instante esquecer as respostas dadas num contexto de exame e pensássemos apenas na cabeça da pessoa que respondeu inserida num mundo real do dia a dia ou ainda no mundo corporativo, ainda lhe daria zero?

O que podemos intuir a partir do modo de pensar do respondente é que se trata de uma pessoa de rara percepção, que consegue ver o que todo mundo vê, mas enxergar o que poucos enxergam. Possui um raciocínio absolutamente lógico-dedutivo e até certo grau, simples. Raciocínio este que nos parece estranho porque nós habitualmente complicamos o simples buscando respostas supostamente “Inteligentes”, mas, não raro, comuns.

Para pensar fora da caixa

No mundo mutante e acelerado em que vivemos e onde a busca por diferenciação se faz indispensável, o que mais se observa são soluções padronizadas, repetitivos, óbvias. O que mais se pede e valoriza é a capacidade de “pensar fora da caixa” enquanto, contraditoriamente, mal se tem um tempo sequer para pensar, quanto mais de modo original!

Se eu fosse um examinador, talvez eu fosse obrigado a dar um zero. Mas se eu viesse a saber destas respostas trataria rapidamente de conhecer o seu autor e muito provavelmente o contrataria para minha empresa na hora, com um 10 com louvor. A cabeça dele poderia se tornar a contestação que (quase) todos precisamos para sair de zonas de conforto, dos discursos sem ação.

*As colunas assinadas não refletem, necessariamente, a opinião do NE10

PALAVRAS-CHAVE: empresas notícias zero

Empresas Simon M. Franco CEO da Simon Franco Recursos Humanos. Palestrante com "Um jeito diferente de pensar". Executive Search, Corporate Performance, Sucessão Familiar. simon.franco@simonfranco.com.br

Continue Lendo

COMENTE ESTA MATÉRIA

Nome:
E-mail
Mensagem

O comentário é de total responsabilidade do internauta que o inseriu. O NE10 reserva-se o direito de não publicar mensagens com palavras de baixo calão, publicidade, calúnia, injúria, difamação ou qualquer conduta que possa ser considerada criminosa.

Vitrine NE10
Vitrine NE10
Fechar vídeo