NE10
Pernambuco - 16.04.14 - Atualizado às 15h54

Cultura visual

Arte emergente

Publicado em 06.07.2012, às 17h13


Frame da ação Rua-redando-Errabundeio: teste Faculdade de Bellas Artes San Carlos
Frame da ação Rua-redando-Errabundeio: teste Faculdade de Bellas Artes San Carlos

Por DeCo Nascimento

Estive afastado da coluna por estar envolvido em uma série de trabalhos e projetos que necessitavam horas de dedicação, afinal, não me sinto muito à vontade escrevendo sobre um tema no qual sou apenas um espectador, tenho medo de me transformar naquele crítico chato, amargo e demagogo que quer entender de tudo e no fim das contas não produz nada. A questão está na dificuldade de falar das próprias peças, porque alguns poderiam tomar esse ato como uma grande publicidade pessoal, por isso estou buscando o equilíbrio no conteúdo para que a obra ganhe mais importância que o autor.

Como se lê nas noticias, a Europa está passando por uma crise econômica avassaladora, e não há emprego para jovens em nenhum setor, há cortes por todos os lados e a sociedade é totalmente controlada. Para se ter uma idéia na cidade em que vivo tem protestos todas as semanas, e para organizá-los é preciso obter uma autorização do estado. Ao contrário do que prega as nossas queridas bancadas ruralista, evagelista, verticalista, bioniquista e ex-esquerdista, precisamos de uma sociedade que dê o mínimo de bem estar e conforto para nossa população e pra isso precisa tomar algumas rédeas, se não, essa euforia toda, logo, logo vai para as cucuias e estaremos na mesma miséria que os europeus, mas com a infelicidade de um estado caótico, que finge ser laico e finge querer melhorias para a população.

Por aqui na gringolândia, cansados de tanta dor, ranger de dentes e dependência do estado para produzir obras (vou nem entrar no funcionalismo público artístico, porque aí viro judas!) muitos artísticas se juntaram em coletivos para fortalecer a “classe” e criar distintos festivais para divulgação das obras e peças. Esses tipos de ações não fortalecem apenas uma pequena classe “coleguista”, como aposta nos chamados artistas emergentes que estão produzindo sem o auxílio do estado e sem uma visão da arte como espetáculo.

Semana passada junto com uma companheira do grupo poéticas digitais da Usp, que está por aqui no doutorado sanduíche, apresentamos o projeto Rua-redando-Errabundeio, baseado numa prática desenvolvida pelos situacionistas, relacionamos os espaços públicos, com a rua; o privado, com a sala de exposição; e o “virtual” (que estamos discutindo se devemos chamá-lo disso mesmo) com a web, criando uma conexão entre os três, para obter uma expansão e construir um novo espaço.

Confesso, que pra conseguir os recursos no Brasil para desenvolver a obra seria um parto, não pelo custo, que é baixo, mas, pela idéia como ação artística. Por aqui existe uma explosão de galerias e espaços de produção e difusão de arte contemporânea, que são diferentes dos que conheci por aí, com sua chiqueza, vinho tinto e pinturas, pinturas e mais pinturas. A desglamuralização da arte nesse momento, por aqui, aproxima as pessoas para conhecer, compreender e realizar obras contestativas, políticas, sociais e reivindicativas de vídeo arte, arte sonora, instalação e esculturas. Isso é muito “massa”, porque tira o medo do espectador e manda a arrogância embora, além de possibilitar espaços para exposição, discussão e produção de obras dos artistas emergentes.

Voltando lá pro Rua-redando-Errabundeio, propusemos utilizar nossos telefones para conectar e expandir os espaços. Esse trabalho surgiu curiosamente pela nossa necessidade de estar na rua sem medo, de poder percorrê-la despreocupadamente percebendo cada detalhe, cada som  e cada pessoa que passa. Ao contrário do que a nossa indústria do medo diz, não são prédios gradeados que diminuem a violência, negar o espaço público como legítimo para a participação popular é o que gera violência.

As imagens capturadas no percurso vão para a web via streaming, e são projetadas no espaço privado (galeria, museu, media labs, salas). De maneira irônica, a rua, esse espaço que pertence a todos ganha outro estatus quando é projetada na sala de exposição como algo distante, inalcançável, uma peça monocanal para galeria. O sonho dos verticalistas, a rua chegando pela web, que chique! Essas imagens e sons capturados passam por um computador e, através de um soft livre, é transformada em tempo real mostrando a influência e decisão das pessoas em transformarem a paisagem urbana, modificando suas cores, texturas e sons.

Com outro telefone enviamos esta imagem à Web, fechando o ciclo do público, privado e “virtual”. No espaço expositivo são duas as projeções a rua que chega por streaming e a segunda que é a capturada e modificada também em tempo real. Nossa proposta busca o reconhecimento da paisagem, a necessidade de percebê-la e o impacto causado pela ganância da transformação constante das paisagens cotidianas. O queremos, como bem falou o professor Luiz Amorim no documentário “Velho Recife Novo”, é reconhecer a cidade historicamente construída e simbolicamente percebida para denunciar suas transformações, evocando e exigindo a rua como espaço para a população.

Alguns festivais de arte independente
http://www.incubarte.org/
http://tuberlinpormivalencia.blogspot.com.es/

Web da ação comentada no texto

http://rua-redando-errabundeio.tumblr.com/

*As colunas assinadas não refletem, necessariamente, a opinião do NE10

Compartilhe essa notícia

DIGG NEWSVINE STUMBLE WINDOWS LIVE GOOGLE FACEBOOK MYSPACE
Comente esta matéria
validador 

Cadastre-se! Esqueceu a senha? O comentário é de total responsabilidade do internauta que o inseriu. O NE10 reserva-se o direito de não publicar mensagens com palavras de baixo calão, publicidade, calúnia, injúria, difamação ou qualquer conduta que possa ser considerada criminosa. Para participar, é preciso ser cadastrado no Portal.

Publicidade

Perfil

DECO NASCIMENTO é olindense, artista sonoro, mestre em artes visuais e multimídia



especial

Sport Campeão Nordestão 2014

Sport Campeão Nordestão 2014

A conquista e a campanha para o Leão chegar a seu título na Copa Nordeste

Sistema Jornal do Commercio de Comunicação
© Copyright © 1997-2014, SJCC - Sistema Jornal do Commercio de Comunicação - Recife - PE - Brasil
Grupo JCPM