POLÍCIA

Acusada diz que menino Flanio pedia para não morrer

Publicado em 13/07/2012, às 12h17 | Atualizado em 21/07/2014, às 19h25

Do NE10Núcleo SJCC/ Caruaru

ATUALIZADA ÀS 12H45

Os quatro acusados pelo assassinato do menino Flanio da Silva Macêdo, 9 anos, foram apresentados na Delegacia Regional de Caruaru, no Agreste de Pernambuco na manhã desta sexta-feira (13).

O corpo do garoto, que estava desaparecido desde o último dia 1º, foi encontrado na tarde dessa terça-feira (10), na zona rural de Brejo da Madre de Deus, também no Agreste. Ele estava sem roupas, com os braços e as pernas amarrados, a cabeça decepada, com sinais de violência sexual e ao lado de objetos macabros.

LEIA MAIS
» Dia de desordem e destruição em Brejo da Madre de Deus
» Casal revela detalhes da morte de garoto em ritual de magia negra
» Corpo de menino é encontrado degolado, amarrado e com sinais de estupro no Agreste

Edilson da Costa Silva, 31 anos, Ednaldo Justo dos Santos, 33, Genival Rafael da Costa, 62, e Maria Edileuza da Silva, 51, devem ser indiciados pelo crime de homicídio triplamente qualificado e estupro de vulnerável, podendo pegar até 30 anos de prisão. Há ainda uma quinta pessoa que é apontada como mandante do crime pelo grupo que está sendo procurada pela polícia.

A acusada Maria Edileuza conversou com a imprensa e disse que a criança foi escolhida aleatoriamente para o sacrifício e que a todo momento o menino pedia para não morrer. Ela se diz arrependida. Há indícios de que Flanio tenha sido morto esganado por um torniquete.

O assassinato do menino foi um ritual de magia negra. O casal contou ter recebido R$ 400 do pai de santo, o mandante do crime, para pegar Flanio. Segundo o delegado Antonio Dutra, antes de matar a criança, Genival e ele se revezaram em atos de abuso sexual, que podem ter durado 20 minutos.

PALAVRAS-CHAVE: polícia

COMENTE ESTA MATÉRIA

Nome:
E-mail
Mensagem

O comentário é de total responsabilidade do internauta que o inseriu. O NE10 reserva-se o direito de não publicar mensagens com palavras de baixo calão, publicidade, calúnia, injúria, difamação ou qualquer conduta que possa ser considerada criminosa.